quinta-feira, 29 de setembro de 2011

Suicidas ilustres 21: Terroristas Islâmicos


Vamos falar agora de lugares onde as mulheres não mandam e os gravíssimos efeitos disso decorrentes, sem exagero: morte e destruições atravessando oceanos, em escala bíblica. Os homes precisam de mulheres que deles cuidem. Que sejam cheirosas, bonitas, boas de pegar, de encher as mãos. Que entendam que eles são fracos por natureza, caem mais facilmente em tentação, são mais propensos à traição carnal. Pobres homens, são seres incompletos. As mulheres, seres mais evoluídos, sabem perdoar essas pequenas falhas masculinas. E fazem de tudo para segurar seus homens. Principalmente quando são alegres e ricos. Já percebemos como as mulheres gostam de dinheiro. E como vimos, homens depressivos não servem para elas.
Na cultura Islâmica, em sociedades nas quais não há separação entre o Direito, o Estado e a Religião, vive-se sob leis baseadas nas escrituras sagradas (a Charia). São leis que regulam tanto aspectos civis e criminais, como a conduta individual e moral, incluindo códigos de vestimenta para as mulheres. Nestas cultura, a mulher não manda nada, é desvalorizada, não vota, seu testemunho não tem valor em tribunais, muitas vezes é proibida por lei de dirigir, às vezes sofre mutilação genital para não sentir prazer sexual. Seus corpos são considerados impuros e escondidos sob panos. Povos são ensinados desde cedo, que os americanos são os culpados por seus problemas, são promíscuos e degenerados; “O Grande Satã”, nas palavras do inesquecível Aiatolá Khomeini. E, o horror máximo: mulheres emancipadas, independentes, bonitas, gostosas, nos EUA, são donas de seus narizes. Vestidas de maneira ousada ou nuas nas capas de revistas. Pior: sempre rindo, indiferentes à macheza troglodita. Parecem rir daqueles infelizes aterrorizados em suas próprias terras.
Na América, os terroristas tiveram acesso a melhor moradia, melhor estudo, mais oportunidades que em seus países de origem. Eu imagino que, ao entrar em contato com a cultura americana, os muçulmanos pensantes descobrem seus atrativos e delícias, passam a ser atormentados pela tentação de ser “convertidos” ao ocidente. Então, o inimigo odiado, se transforma em objeto de inveja e admiração. Só lhes resta uma saída: matar os infiéis nos quais receiam (e desejam) se transformar. E com seu suicídio, matam a si mesmos para nunca mais correrem o risco de ser enganados (em sua terra) ou seduzidos (pelo “inimigo”). Passa a ser intolerável conviver como inimigo de seu próprio objeto de desejo. Pelo jeito deve ser melhor se matar do que ficar com uma mulher vestida como espantalho. Olha a expressão de infelicidade na cara do sujeito....

sexta-feira, 23 de setembro de 2011

Emancipação Feminina, parte 3: A mulher é quem manda


Como bem disse Pondé, todo homem casado que ama sua mulher, sabe que é ela quem manda na relação: escolhe mesas em restaurantes, decide quais amigos vão ao cinema, manda em suas roupas, escolhe a casa onde vão morar, a cor das paredes, controla seus silêncios, interpreta seus sonhos. Ela controla os detalhes do cotidiano. Quando o homem se cansa de obedecer, ele vai embora. E reconstrói sua vida facilmente, casando-se com uma mulher mais nova. Mas dificilmente homens deprimidos se casam de novo, geralmente são recusados por outras mulheres, porque com a depressão masculina, costumam vir junto a perda financeira e de saúde. Mulheres não suportam homens fracos e sem dinheiro. E homens, por sua vez, não gostam de mulheres emancipadas. Eles as temem, temem o sucesso delas e sua (pretensa) segurança; ou acham que elas são umas chatas, que falam demais e (pensam) que sabem demais.
 O único ganho real dos homens com a emancipação das mulheres é poder abandoná-las à sua sorte, sem sentir culpa, quando delas se cansam.

quarta-feira, 21 de setembro de 2011

Emancipação Feminina, parte 2: Darwin explica porque as mulheres falam demais


Falar a respeito da emancipação feminina com as mulheres é muito difícil por uma razão óbvia: falar com mulheres (sobre qualquer assunto) é difícil, porque as mulheres tem o hábito de falar em nosso lugar mesmo quando dizem que querem nos ouvir. As mulheres tem a capacidade de encerrar qualquer possibilidade de diálogo, transformando-o num monólogo que lembra uma metralhadora em ação. Os homens cansam e desistem, viram de lado e dormem, pensam em outras coisas ou simplesmente ficam olhando ao balanço do decote feminino, despindo a mulher em pensamento.  

Isso tem uma explicação evolucionista (Darwiniana). Nos tempos das cavernas, quando os homens eram caçadores-coletores, havia uma divisão de trabalho, com as mulheres geralmente colhendo frutos e raízes em grupo, numa atividade repleta de animado falatório, o que era útil para essa atividade, uma vez que espantava pássaros e roedores, concorrentes dessa atividade feminina. Já os homens saíam a campo na arriscada tarefa da caça. Matar um animal como um imenso mamute requeria muita competência, sangue-frio, calculismo, coragem, colaboração e entrosamento entre o grupo, disciplina e silêncio. Falar na hora errada poderia significar a diferença entre viver ou morrer. Por isso os homens desenvolveram capacidades práticas silenciosas e eficientes, falando inteligentemente apenas o necessário, enquanto as mulheres se tornaram ruidosas matracas, falando até pelos cotovelos, com menos pragmatismo, resultados práticos mais modestos. Imagino que quando elas começavam a falar, até os mamutes saíam correndo, procurando por alívio. As coisas pouco mudaram nos últimos 40 mil anos, até que na década de 60, com a invenção dos anticoncepcionais orais, ficaram ligeiramente confusas, e as mulheres deixaram de saber qual o seu papel na sociedade. Passaram a lutar por “direitos iguais”.

quarta-feira, 14 de setembro de 2011

O Spray Mata-Capeta

Aproveitando as tecnologias modernas, os evangélicos são insuperáveis na divulgação das maravilhas que Deus opera na vida de quem nele crê. Depois do Drive-thru de Oração e do Dízimo Automático (vide postagens dos dias 10/08 e 04/05 neste blog), eles novamente me surpreenderam. O pastor evangélico Silas Malafaia, vice-presidente do Conselho Interdenominacional de Ministros Evangélicos do Brasil (CIMEB), entidade que agrega cerca de 8.500 pastores de quase todas as denominações evangélicas brasileiras, além de Psicólogo formado, acaba de lançar o Spray Mata-Capeta, a maneira mais moderna, prática e econômica de tirar o demônio do corpo de quem estiver encapetado. Disponível em frascos de 300ml, ao preço de R$100,00, nos aromas Sangue de Jesus, Cheiro da Palavra e Alegria do Dízimo, promete resultados milagrosos. O uso do Spray faz qualquer Capeta dar no pé, não tem erro, é garantia de limpeza em ambientes carregados. Pode ser usado por toda a família, inclusive cães e gatos, sem contra-indicação, com resultados surpreendentes.
Para saber mais, assista com seus próprios olhos ao programa “Vitória em Cristo”, no ar há mais de 29 anos ininterruptos, e ouça os maravilhosos testemunhos das pessoas abençoadas pela expulsão do Capeta de suas vidas. Impressionantes relatos de cura de enfermidades (conhecidas e desconhecidas pela medicina), libertação de drogas, maridos que deixaram amantes e começaram a trabalhar, jovens que deixaram a vida criminosa e viraram obreiros, prosperidade financeira com pagamento de dívidas, entre outros milagres prodigiosos. O programa vai ao ar todos os dias, em horários variados, pela CNT, RedeTV! e afiliadas da Rede Bandeirantes.

terça-feira, 13 de setembro de 2011

Emancipação Feminina, parte 1: Conceitos Básicos

Minhas leitoras se queixam da falta de assuntos interessantes neste blog. Me escreveram criticando a matéria sobre o rodeio de gordas. Elas gostam de temas ligados ao relacionamento entre homens e mulheres. Pensando nisso, me proponho a revelar segredos do universo intelectual masculino. Fazendo-o, sinto-me de certa forma um traidor de minha classe, qual seja, do seleto grupo de homens heterossexuais interessantes, aqueles que gostam de mulher (e estão em falta no mercado). Esse grupo, aprende desde cedo que, para ter acesso a seu objeto de desejo é preciso ser determinado, mas nem sempre sincero. Aproveitem que desta vez estou falando apenas a verdade desinteressada, o que nem sempre é tão agradável como as mentiras deliciosas que os homens aprendem a contar. Algumas mulheres podem não gostar, paciência. Se você por acaso sentir sintomas como irritação ou nervosismo, pare de ler. Vá fazer uma massagem, meditação, Yôga, vá fazer compras no Shopping, ou leia um livro do Padre Marcelo.
Com a ajuda do que aprendi com o eminente filósofo Luís Felipe Pondé, vou começar discorrendo sobre a “emancipação feminina” e o medo que ela causa nos homens (os que gostam de mulheres). Primeiro, vamos tentar definir “emancipação ”. Isso, segundo Pondé, se faz em 3 etapas:
1-Partir de problemas reais: como a submissão de mulheres a maridos insuportáveis, devido à falta de grana para mandá-los ao inferno ou à PQP, situação comum no passado.
2-Solucionar esses problemas de modo eficaz: como divorciar-se, ir à luta e ascender profissionalmente, tornando-se financeiramente independentes para mandar os ex-maridos lamber sabão.
3-Negar sistematicamente os efeitos colaterais indesejados causados pelas soluções encontradas (item 2) aos problemas reais (item 1). Por exemplo, mulheres financeiramente independentes, mas sozinhas, tristes, desesperadas (sem homens), que se iludem alardeando aos quatro ventos que podem transar livremente com meninos de 18 anos, sem ter de dar explicações para ninguém; mães solteiras disfuncionais; mas sobretudo, repressão sistemática a qualquer discussão séria acerca desses efeitos colaterais indesejados, acusando-os de propaganda machista.
Como já foi dito, os homens que gostam de mulheres odeiam aquelas emancipadas e independentes. Os gays as adoram. Há coisas a ser aprendidas a sobre isso. Muitas coisas. Mas para isso, é preciso falar a respeito abertamente e sem medo. É o esforço que farei nos próximos ensaios.

segunda-feira, 12 de setembro de 2011

Rodeio de Gordas

O Rodeio de Gordas, foi uma atividade cruel de bullying, desenvolvida por estudantes da Unesp, durante jogos universitários, com regras publicadas no Orkut. A competição consistia em se aproximar de uma mulher gorda, fingindo interesse em paquerá-la, agarrando-a a seguir, montando sobre ela contra sua vontade, como se faz nos rodeios com touros, resistindo a seus esforços de esquiva. De acordo com as regras, quanto mais gorda e maior o tempo de resistência do “peão”, maior a pontuação conquistada. Conforme descrição de testemunhas, as torcidas incentivavam com gritos de “pula, gorda!”, “sacode as banhas!”. Aquelas que lutavam mais, eram classificadas como gordas “bandidas”, em referência ao touro Bandido, famoso pela novela “América”.
Rodeio de Gordas é um crime. Escrevo sobre esse triste tema atendendo ao pedido de uma paciente com sobrepeso que sofreu bullying por isso, convivendo até hoje com seqüelas desta triste prática. É dever de todos acabar com esse infame torneio. Felizmente, mobilizações já acontecem. A Unesp instaurou processo disciplinar, para punir os organizadores do evento. A comunidade do Orkut foi cancelada.
Os gordos não devem tolerar estes abusos, devem se unir e se defender. Que sirva de exemplo a cantora Preta Gil; após ser comparada a uma “baleia encalhada” no programa “Pânico na TV”, moveu uma ação por danos morais, ganhando uma indenização de R$ 100 mil.

sábado, 10 de setembro de 2011

Suicidas ilustres 20: Itzel Lobato (aos 10 anos de idade)


No México, 80%  da população é católica, e cultuam Nossa Senhora de Guadalupe. Neste país, a jovem Itzel Murillo Elvira Lobato resolveu no dia 16 de agosto se matar, para que fosse ressuscitada em seguida pela Virgem de Guadalupe, porque acreditava que assim chamaria a atenção de seus pais separados, conseguindo reuni-los de novo. Seria o seu presente de aniversário – naquele dia estava completando 10 anos. Itzel foi influenciada por um capítulo da novela religiosa La Rosa de Guadalupe, da Televisa, no qual uma garota se mata por causa da separação dos pais, mas a Virgem a ressuscita, e a família, comovida, se reconcilia. O slogan da novela é “Um milagre a cada dia”. As colegas de escola de Itzel disseram que ela estava muito triste por causa da ausência do pai e dizia que a Virgem de Guadalupe ia fazer um milagre para que a família se unisse. Sozinha, a menina passava as tardes em casa assistindo à novela.
Crianças são seres naturalmente influenciáveis. Estão em formação. Acreditam nas coisas que lhes são ensinadas, sem questionamentos. Ensine matemática e ciências, elas aprenderão. Mas ensine que existem fadas, gnomos, anjos, unicórnios... elas também acreditarão nisso. Que chance tem uma criança em formação ao ser instruída por uma freira católica com uma mente doentia, que nada sabe da vida, das dores do amor e do sexo, ao ser informada sobre a existência de virgens miraculosas e deuses incondicionalmente amorosos e justos?
Não custa dizer: após morrer, ela não foi ressuscitada.

quinta-feira, 1 de setembro de 2011

Expo Alto Astral


Se você é daqueles pacientes que não querem tomar remédio para a vida toda, talvez a psiquiatria tradicional não seja de seu agrado. Como já discutimos, muitos acabam recorrendo à homeopatia, acupuntura e outras práticas “naturais”. Agora, se além disso você tem a mente mais “aberta” ainda, pode ser que goste da maravilhosa Expo Alto Astral, feira que acontece no Anhembi, de 09 a 11 de setembro. E pode ir descansado, pois seu organizador, Roger Zulli, conforme afirmou à revista Veja, se esmerou em excluir os charlatões, garantindo a seriedade do evento.
Para quem está descrente dos atendimentos psicológicos, pode ser uma excelente oportunidade para consultar pessoalmente a famosa vidente Mãe Dinah, que resolve problemas afetivos e financeiros, bem como orienta de maneira infalivel jovens que querem se tornar jogadores de futebol milionários. Se os Mamonas Assassinas a tivessem ouvido, não teriam morrido no trágico acidente de 1996, por ela previsto e documentado.
Aproveite os ensinamentos da Nova Era e das Ciências Ocultas, descubra como sua vida pode melhorar. Não importa sua religião, pois lá todos são altamente espiritualizados e evoluídos. É o caso do terapeuta Holístico Hedvaldo Silva, que durante uma viagem astral fora do seu corpo físico, foi ensinado por anjos a confeccionar a placa energizadora indiana, que promove curas diversas, segundo ele, até de câncer. Quem não quer se curar de um câncer? Na feira pode-se comprar esta abençoada placa pela bagatela de 110 reais, e uma única placa pode ser usada por toda a família. Sai muito mais em conta do que qualquer quimioterapia!
E tem muito mais. Deitando na mesa psicotrônica, você descobrirá como melhorar sua saúde. Física Quântica e Angeologia deixarão de ser mistério. Haverá prática coletiva de pensamento positivo, Yôga e banhos energéticos revigorantes. Várias modalidades de Tarô, incluindo aquele da Capela Sistina, do Vaticano, avalizado pelo próprio Papa. Cromoterapia, Cristais e Radiestesia serão apresentados pelos maiores especialistas. Entre eles, o destaque fica para o Prof. Carlos Rosa, fundador da Academia Brasileira de Numerologia Cabalística. Seu currículum brilhante fala por si só: este não é um aventureiro oportunista, mas uma sumidade: sociólogo, historiador, Dr. em Ciências Ocultas, numerólogo cabalista, tarólogo, palestrante motivacional e escritor, escolhido “O Empresário Holístico dos anos 2007 / 8 / 9.
A morenaça Cristina Cairo vai mostrar como “as leis universais seguem a linguagem do corpo”. E que corpo! Um corpão! Segundo ela, todas as doenças tem origem emocional, e a terapia do seu corpo cura quase tudo. Nada a ver com massagem Tailandesa. Os doentes melhoram só de olhar. E por falar em olhar, não deixem de ver os fantásticos óculos “reticulados”, usados para exercícios de “Yôga para os olhos”. Embora formalmente criticados pela Sociedade Brasileira de Oftalmologia, estarão à venda pela pechincha de 90 reais! Maurício Prado, terapeuta ocular (algo um pouco diferente que oftalmologista, dizem, até mais avançado, não sei) garante que o uso desses óculos por uma hora diária cura até miopia.